30mar

Amamentação prolongada: os benefícios valem a pena?

30-03-2017

Do nascimento aos 6 meses de idade, o leite materno é o melhor alimento possível para o desenvolvimento do bebê – dispõe de todas as proteínas, gorduras, açúcares, vitaminas e minerais necessários para atender às demandas nutricionais da criança, além de ser completamente adequado às capacidades digestivas de um recém-nascido. O leite materno é tão completo que a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que este seja o alimento exclusivo de todas as crianças até os 6 meses de idade. Além de oferecer nutrição completa, é na amamentação que se constrói os mais estreitos laços de amor e reconhecimento entre mamãe e bebê.

Com a chegada dos 6 meses de idade, inicia-se o processo de introdução alimentar. A criança é apresentada aos alimentos sólidos, que conseguem atender de maneira mais completa às necessidades nutricionais dessa fase do desenvolvimento do bebê. Mas com o início da introdução alimentar, a amamentação materna deve ser suspensa? Os bebês podem continuar mamando até completarem o primeiro ano de vida? E depois, com 2 ou 3 anos, existem riscos envolvidos? Quando o bebê já anda, fala e come de tudo – manter a amamentação não vai atrasar o curso natural de seu desenvolvimento?

São estes e outros questionamentos que dão origem ao debate sobre a amamentação prolongada. A verdade é que a cultura ocidental nos faz enxergar a prática com olhos de estranhamento – a amamentação prolongada é tratada com extrema naturalidade em diversas regiões do mundo. Não existe hora certa para desmamar: existe o momento mais adequado para cada mãe, criança e família, que experienciam a amamentação em conjunto.

Ainda que seja cheia de desafios (disponibilidade da mãe, tamanho da criança, surgimento de dentes, pressão social para interromper, etc), a amamentação prolongada é um ato de resistência extremamente positivo para a criança e também para a mãe. Fique por dentro dos principais benefícios envolvidos:

Saúde do bebê

Diferentemente do que muitos dizem, o leite materno não se torna “inútil” para a criança maior de 6 meses – mas, para muito além do reforço nutricional que proporciona, o leite da mãe vem carregado de imunoglobulinas e anticorpos, que são absorvidos pelo bebê e auxiliam no fortalecimento de seu sistema imunológico (o que é extremamente importante, visto que os bebês estão bastante vulneráveis a todo tipo de patologia no início da vida, por ainda estarem se adaptando às condições do mundo externo). E os benefícios não se restringem ao ponto de vista imunológico: a amamentação também contribui para o bom desenvolvimento ortodôntico, fonoaudiológico (o movimento de sucção fortalece a musculatura facial), e principalmente afetivo, por estreitar os laços entre mãe e bebê no contato pele a pele, olho no olho.

Saúde da mamãe

Se é saudável para quem mama, também é saudável para quem amamenta: mães que toparam o desafio da amamentação prolongada são menos sujeitas ao desenvolvimento de câncer de mama, de útero e de ovário, além de reduzir a incidência de quadros de osteoporose. Por trás dos benefícios físicos, também podemos citar o aumento da qualidade de vida por decorrência da satisfação, do afeto e do contato íntimo existente no ato de amamentar.

Segurança e confiança

“Se você não parar de amamentar seu filho, ele nunca vai desgrudar de você!”. Esse é o principal argumento utilizado nas críticas à amamentação prolongada. A novidade é que o efeito é justamente o contrário: a proteção e o amparo existentes na mamada criam bases emocionais sólidas para que a criança sinta-se (dentro do seu tempo) mais confiante e segura para desbravar o mundo. Forçar um desmame precoce na intenção de estimular a independência da criança é um grande erro – a criança só tomará atitudes independentes quando se sentir pronta para isso. O rompimento forçado do vínculo da amamentação costuma ser traumático e apenas retarda o processo de independência.

Remédio natural

Além de fortalecer o sistema imunológico e evitar o surgimento de doenças, o leite materno também é de grande eficácia nas ocasiões onde a criança fica doente: é uma ótimo meio de evitar a desidratação quando há ocorrência de diarreia e vômitos. Por ser líquido, também é muito mais digerível do que qualquer outro alimento, e sua ingestão é mais simples naquelas situações onde a criança sente desconforto para comer e rejeita todo tipo de alimento. Assim, a criança permanece amparada e nutrida mesmo quando incomodada por alguma enfermidade.

Leite mais saudável

Muitas famílias interrompem a amamentação materna para iniciar a introdução de fórmulas infantis, de leite de vaca ou leite de soja. A má notícia é que todos esses elementos possuem um alto potencial alergênico – facilmente provocam irritações no trato digestivo ainda imaturo das crianças. Quanto mais tarde os pequenos tiverem contato com tais substâncias, melhor. O leite materno é a melhor opção de leite para a criança: altamente nutritivo e naturalmente adaptado às fragilidades do organismo infantil. E é de graça!

Se você está a procura de uma instituição de educação infantil que estabeleça vínculos de afeto e cuidado com o desenvolvimento do seu filho, agende uma visita no Curupira Educação Bilíngue. Aqui, o amor é a nossa principal matéria.